Get this widget | Share | Track details
Mulheres de Atenas

05 julho 2017

Ítaca


ESTA NOITE SONHEI


Esta noite sonhei. Será que não sonho todas as noites? Apenas posso dizer que hoje a recordação de um sonho que tive esta noite está particularmente presente. Lembro-me dele como se o estivesse a sonhar, neste momento, acordada. Eu andava numa praia que tanto poderia ser a de Azurara como a Praia Formosa, um extenso areal, a maré baixa. Eu arrastava os pés na espuma das vagas que mansamente espraiavam. Braços caídos ao longo do corpo, olhos no chão, ou melhor, na areia molhada. As lágrimas quentes e salgadas desciam pelo meu rosto e algumas morriam nos cantos da minha boca entreaberta, outras caíam nos meus pés e juntavam-se à água do mar, ambas salgadas. Uma sombra cresce lentamente para mim. Levanto os olhos nublados e uma figura de homem, sem rosto definido mas que me parece o teu, momentos depois o do Padre Miguel Múrias, depois ainda o do Irmão Salvador, sorrindo. Ergue as mãos, afaga-me o rosto, enxuga-me as lágrimas, abraça-me. Conduz-me para a base da duna onde sempre ficou a barraca dos Padres, senta-me nos joelhos como se eu nunca tivesse crescido e conta-me a estória do rei que gostava de estórias que não terminavam, da princesa, do jovem lavrador, do formigueiro e do celeiro real: “e foi mais uma formiga e tirou um grão de trigo…e assim a princesa e o lavrador casaram e foram felizes para sempre”. Aquela voz dentro da minha cabeça, dentro do meu coração, a tua, a do padre Miguel…,a do Irmão Salvador eu já não recordo. E eu pequenina, indefesa, mas aconchegada naquele colo com a certeza de que nada poderia fazer-me chorar as lágrimas que eu já, afinal grande, choro. Onde estás tu? No presente? No passado? Quem és, afinal, tu? Onde estás? Existes? E aquela voz: a luz que precisas, as certezas que procuras só ele tas pode dar. Mas, onde estás? E de novo as lágrimas, sempre elas, e os olhos nublados e todos os rostos a parecerem o teu.

Na foto, à esquerda, pode ver-se parte da praia de Azurara para onde ia todos os dias nos meses de Verão e muitas vez, passear, durante o Inverno. Lá os Padres beneditinos de Singeverga montavam duas barracas. Era com eles que íamos para a praia durante a semana. Ao Domingo, quando o Fábrica o patrão não precisava do meu Pai, era com ele que íamos. eu pequenina ao colo do Irmão Salvador e de outros. O Padre Miguel Múrias sentava-me nos seus joelhos e contava-me estórias. Saudades do tempo em que bastava um colo para me aconchegar e afastar todos os medos e uma mão para me enxugar as lágrimas. Como é duro ser grande...

2012-07-04

26 novembro 2013

Um recadinho para o Facebook


Em que estou a pensar? Em mandar-te à merda...Andas a pôr-me em baixo e eu não gosto. Detesto. Sou um ser humano. Sim, humano. Cheia de contradições. E, se calhar por elas, humana. Porra, eu partilho tudo o que é animais abandonados. Gostaria muito de poder acolhê-los a todos. Aos saudáveis, aos cegos (não é Serafim? Não é 33?), aos estropiados, aos que seres tão cheios de contradições como eu enchem de cimento e abandonam; seres que se dizem tão humanos como eu, espancam, abandonam recém-nascidos fechados em sacos de plástico e atirados para contentores do lixo. Depois vêm os moralistas da merda dizer que eu só me preocupo com animais e que há milhões de crianças a morrerem de fome todos os dias e eu não partilho, não me importo…Depois há os que, quando os tento sensibilizar para campanhas de casaquinhos para as crianças que nascem nuas se desculpam, tadinhas, que não sabem, não têm tempo de crochetar, tricotar um trapinho…e depois há-os que quando há um contentor fechado, à espera que alguém contribua com uns euros para que se consiga mandá-lo para Cabo Verde onde o esperam crianças e adultos para se aquecerem com as roupas que pomos de lado ou matarem a fome com as migalhas que nos caem do prato, mandam bocas que eu não me importo com quem em Santa Maria passa fome…E eu? Pareço um dos personagens da estória do velho, do rapaz e do burro…e acho mesmo que sou o burro…pois há dias alguém trouxe-me às mãos três casos de pessoas que conheço bem e que estão em situação de precisarem de ajuda urgente e eu há três dias que sonho com isso, acordo com isso e choro com isso. Mania esta, a minha, de que tenho que salvar o mundo! Vou fugir, ó Face! Vou esconder-me e esquecer... tudo isto não vale a pena, que um dia todos vamos morrer e quem sabe bom, bom, é que quem precisa, animais, pessoas…morramos todos já para descanso das nossas consciências. Vai-te lixar, ó Face, com todos aqueles que só mandam bocas, que estão nos seus sofás fazendo de conta de que não há mundo lá fora, que eu…EU VOU SALVAR O MUNDO e volto já!