Get this widget | Share | Track details
Mulheres de Atenas

26 novembro 2013

Um recadinho para o Facebook


Em que estou a pensar? Em mandar-te à merda...Andas a pôr-me em baixo e eu não gosto. Detesto. Sou um ser humano. Sim, humano. Cheia de contradições. E, se calhar por elas, humana. Porra, eu partilho tudo o que é animais abandonados. Gostaria muito de poder acolhê-los a todos. Aos saudáveis, aos cegos (não é Serafim? Não é 33?), aos estropiados, aos que seres tão cheios de contradições como eu enchem de cimento e abandonam; seres que se dizem tão humanos como eu, espancam, abandonam recém-nascidos fechados em sacos de plástico e atirados para contentores do lixo. Depois vêm os moralistas da merda dizer que eu só me preocupo com animais e que há milhões de crianças a morrerem de fome todos os dias e eu não partilho, não me importo…Depois há os que, quando os tento sensibilizar para campanhas de casaquinhos para as crianças que nascem nuas se desculpam, tadinhas, que não sabem, não têm tempo de crochetar, tricotar um trapinho…e depois há-os que quando há um contentor fechado, à espera que alguém contribua com uns euros para que se consiga mandá-lo para Cabo Verde onde o esperam crianças e adultos para se aquecerem com as roupas que pomos de lado ou matarem a fome com as migalhas que nos caem do prato, mandam bocas que eu não me importo com quem em Santa Maria passa fome…E eu? Pareço um dos personagens da estória do velho, do rapaz e do burro…e acho mesmo que sou o burro…pois há dias alguém trouxe-me às mãos três casos de pessoas que conheço bem e que estão em situação de precisarem de ajuda urgente e eu há três dias que sonho com isso, acordo com isso e choro com isso. Mania esta, a minha, de que tenho que salvar o mundo! Vou fugir, ó Face! Vou esconder-me e esquecer... tudo isto não vale a pena, que um dia todos vamos morrer e quem sabe bom, bom, é que quem precisa, animais, pessoas…morramos todos já para descanso das nossas consciências. Vai-te lixar, ó Face, com todos aqueles que só mandam bocas, que estão nos seus sofás fazendo de conta de que não há mundo lá fora, que eu…EU VOU SALVAR O MUNDO e volto já!

06 agosto 2013

As listas de espera da saúde regional



As listas de espera da saúde regional

Ontem fui ao médico no Centro de Saúde de Vila do Porto. CONSEGUI uma consulta! Desde Março que ando a tentar. Mas não foi fácil. Acreditem.
Ando com o dedo grande do pé esquerdo dormente, mais nuns dias do que noutros. O certo é que isto anda a meter-me minhocas na cabeça. E como se a dormência do dedo não bastasse ando com mais umas chaticezitas que somadas me tiram o sono. 

O médico decidiu que deveria mandar-me fazer uma electromiografia. 
Forte palavrão este! 

Hoje desloquei-me de novo ao Centro de saúde para a administrativa marcar a junta médica e consequentemente o exame.

Pergunta da administrativa: Quer ir à privada ou quer esperar cerca de um ano, um ano e meio para fazer o exame?
Fiquei “para Nosso Senhor me levar”. Por acaso tenho seguro de saúde. Não vai ser difícil ir à privada. Mas de imediato pensei nos milhares de açorianos que, não tendo seguro de saúde (muitos nem pão para a boca...), para este e outros exames terão que esperar ano e meio se não morrerem antes…e pensei, também,na desfaçatez dos senhores do Governo que Vêm às televisões dizer que não há listas de espera na saúde regional. 
E um narizinho vermelho, não vai??

27 outubro 2011

A Mãe das pombas

Ao ler este texto de Eduardo Bettencourt Pinto
(http://eduardobpinto.wordpress.com/2008/02/07/a-mae-das-gaivotas/), lembrei-me de fotografias que tirei há dias no Faial. De alguma forma roubei o título.





Em andando pelas ruas da cidade, máquina fotográfica ao pescoço, perco a noção do tempo. Paro nos nas esquinas, as janelas das casas em ruínas seduzem-me, meias abertas, vidros partidos. Cortinas esfarrapadas, encardidas, espreitam-me. O Mercado, paragem obrigatória, está fechado, é Domingo. Continuo deambulando, olho o relógio. Está quase na hora de partir. Mas, como eu gosto desta cidade! Os taxistas acertam os sonos, alguns, outros passam a flanela nos cromados. No jardim, chega uma mulher. Na mão um saco de plástico com milho. Pousa-o num banco. As pombas, que estavam nos galhos da araucária à espreita, começam a esvoaçar à volta da mulher. Poucas, de início. À medida que ela vai metodicamente espalhando o milho num carreirinho, o bando aumenta. As pombas quase cobrem a mulher. O taxista do pano de flanela acerca-se. Traz, agora, na mão bocados de pão que atira juntando-os ao milho.

- Parece que não estão com fome, hoje. Quem sabe a Aurora já cá tenha estado. Ela vem todos os dias.

- Ah, talvez. Achas? É cedo ainda. Hoje estão menos. Não sei o que se passa

E o homem assobia olhando o céu de roda. A mulher coloca a mão na testa em jeito de pala, o sol da manhã encandeia-a. Mas não vem mais nenhuma pomba.

-Mesmo assim comeram tudo. Amanhã há mais.

- Pois há. Então bom dia!

-Bom dia! Até amanhã.