Get this widget | Share | Track details
Mulheres de Atenas: Outubro 2009

09 outubro 2009

Com amor e com...humor























Fotos de Ana Loura


Pequena nota para quem não for de Santa Maria: César, Presidente do Governo Regional, veio na Quarta feira dar "uma mão" a Nélia Figueiredo e correu as casas do aeroporto a dizer a quem lá vive que irá entregar-lhes as casas pelo valor simbólico de 5 euros. Ora nem acordo assinado ainda há com a Ana...enfim...muito baixo desce quem está com medo de não ganhar as eleições.


Não me surpreendeu de forma alguma a postura de Daniel Gonçalves nesta campanha eleitoral, participativo, assumindo por inteiro a responsabilidade que aceitou quando disse sim ao projecto da candidatura da CDU à Câmara Municipal de Vila do Porto. Daniel Gonçalves distinguiu-se pela positiva no debate transmitido pela RTP não entrando em ataques pessoais, sendo cordato, educado, tranquilo. Foi aplaudido por muita gente que se lhe dirigiu a dar os parabéns, gente de todas as candidaturas, gente sem partido, gente que ainda não tinha decidido em quem votar até aquele dia. Mas alguns, mais “exigentes”, que queriam ter visto “sangue”, disseram que ele não tem estatura para líder, que lhe faltava qualquer coisinha. Eu pensei: eles que esperem… Ontem no debate transmitido em directo pelo ASAS Daniel, sempre sereno, sempre sem levantar o tom de voz, mas firme, apresentou propostas quando era para as apresentar, contestou o que era de contestar, rebateu quando era de rebater, não “se ficou” quando chamado de mentiroso, mas sempre com o ar doce de quem sabe o que quer, de quem está certo de que o futuro está ganho porque a razão está com ele. Daniel Gonçalves fez render cada segundo que teve para intervir e apresentou o seu projecto, o projecto da CDU. Não lhe faltaram abraços à saída do estúdio do ASAS. Abraços de todas as cores políticas. Daniel tinha ganho o debate

A campanha termina à meia-noite de hoje e o lema principal da candidatura de Daniel Gonçalves, da candidatura da CDU continua a ser POR AMOR à terra em que vivemos e como vemos pela fotografia também com muito humor!

É com grande orgulho que agradeço publicamente a disponibilidade que todos os integrantes das listas tiveram em as integrar. Não é fácil assumirem-se simpatias em terras pequenas como a nossa. Ao Marco afirmo que se ele não for eleito é uma tremenda de uma injustiça por um lado e será uma menos valia para a Assembleia Municipal. Ele merece pelo todo o seu trabalho no blog, pela atenção permanente que dispensa aos assuntos da Ilha e a Ilha e os marienses também merecem que ele lá esteja pois será sempre um defensor do progresso sustentado da Ilha. Mas eu confio no bom senso dos marienses e o Marco na primeira sessão da Assembleia estará lá para assinar o compromisso de honra e assumir o seu lugar de Deputado Municipal.

Como costumo dizer: Amanhã há mais. A vida política em Santa Maria não se esgota com a eleição de Domingo. Nós, CDU, continuaremos sempre a intervir. Contem connosco, sempre com amor e com…humor



07 outubro 2009

A ajuda de César

Acabo de ouvir César no noticiário do ASAS e confesso que embora discordando de muitas das opções do governo eu o respeitava e respeitava César. Hoje ele mostrou-se por inteiro. Afirma que QUER trabalhar com Nélia Figueiredo, assim como uma criança mimada que diz "Assim não brinco" se ganhar outro dos candidatos e não darei nada a Santa Maria, "prontus", até parece que "os berlindes" são dele e não os nossos impostos que os pagaram. Quem ameaça uma ilha para que vote na sua candidata dizendo que só teremos aquilo a que temos direito porque cidadãos dum país, porque vivendo numa Região Autónoma para os quais contribuímos com os nossos impostos só se a sua candidata ganhar é chantagem pura e dura, é triste ao que a política (do PS) chegou nos Açores, ao que se rebaixa quem está desesperado a ver os votos a fugirem a passos largos. Prometer aos habitantes das casas AINDA da ANA (ainda não foi assinado o protocolo para a passagem dos terrenos e infre-estruturas para a posse da região) que as casas são suas a preços simbólicos, que quem tiver as casas sem condições de habitabilidade irá viver de graça nas casas da NAV (a NAV sabe disso?) ...é demais. Tenha vergonha, Senhor Presidente do Governo Regional, não se esqueça que o Senhor fez estas promessas como Presidente do Governo, assumiu-se como tal ao falar...
O senhor pareceu-se todinho como os ciganos que vendem relógios "de marca" e óculos "Ray Ban" pelas ruas de muitas cidades...

05 outubro 2009

Bacalhau


Foto da autoria do saudoso fotografo Carlos Adriano gentilmente enviada por: http://web.mac.com/jfagomes (recomento uma visita ao excelente site)



Veja o filme:

http://www.patricioclan.org/video/vids/flvplayer.swf?file=cod-fishing-1966-m-smmanuela.flv&autostart=true&fs=true



Nasci em Vila do Conde, Caxinas, Poça da Barca, Póvoa de Varzim, Aguçadoura...perto e ao mesmo tempo longe do lar onde nasci e cresci. Mas havia as peixeiras que caminhavam quilómetros, canastra à cabeça, vinham em bando, como as gaivotas, sempre gracejando, ou quase sempre naquele dialeto a soar a mar (muito parecido com a fala de Rabo de Peixe, Faro, Nazaré), vinha a Dos Anjos que Marias eram todas, umas Dos Anjos, outras da Guia, outras de Fátima, mas todas Marias como a Mãe de Deus e todas tinham os "homes" embarcados no bácálhau que viria mais tarde cobrir os arames das secas que ocupavam a margem direita do Ave desde a Doca até à Senhora da Guia dos dois lados da estrada, que mulheres, também de pescadores , estendiam, viravam e guardavam, sentadas nuns cavaletes de forma a verem toda a seca da sua responsabilidade não fosse algum gato ou cachopo atrevido botar a mão e levar à surrelfa um dos peixes cobertos de abundante sal, o bacalhau escalado. Quando o sol ameaçava esconder-se por detrás do Castelo a mulheres recolhiam para carroças que puxavam até ao armazém onde o bacalhau ficaria guardado até ao dia seguinte. Nós, a caminho da praia, muitas das vezes faziamos menção de botarmos a mão a um bacalhau, a gente só queria ouvir as ameaças, os palavrões, os impropérios, nós eramos meninos finos, nas nossas casas não se falava assim e nós achavamos graça. A Dos Anjos era a nossa peixeira, a Dos Ajos ficava sempre para trás pois enquanto vendia o peixe fresquinho, da lota, Dona Margarida, a sinhora sabe que num a ingáno, se o peitxe não fosse fresco eu a si num lo bendia, sempre naquele tom a soar e a saber a mar, e a Dos Anjos tinha seu home embarcado nas terras do bacalhau e falava à minha Mãe nos dois pequeninos que deixara em casa à sua sorte, pois as mulheres tinham que vender o peixe, apanhar o sargaço e os pequeninos ficavam em casa deixados à sua sorte que Deus proteje os mais pequeninos e a Senhora dos Anjos bota-les a mão. Mas Dona Margarida, ele foi a tchorar e eu fiquei a tchorar, a sinhora num sabe o que aqueles homes passu naquele mar de Deus, é sêde, é fome, é os trabalhos, é os que caem e ficam enterrados naquele mar de Deus, o mê cunhado foi no áno passado e nunca burtou, a minha irmá butou luto mas nunca ninguém biu o meu cunhado morto, é a nossa bida. Até à cumpánha bortar eu num sei se o meu é bibo ou morto, que Deus nos ajude...


Por vezes esqueço que tenho passado e de repente...