Get this widget | Share | Track details
Mulheres de Atenas: Abril 2011

19 abril 2011

Domingo de Ramos no retiro da Cidade



A palavra de Deus

«Quando já se aproximavam de Jerusalém, chegaram a Betfagé, junto ao monte das Oliveiras. » Evangelho Segundo S. mateus cap21, ver1

A meditação

A minha vida, dou-a


Eis-nos entrados na Semana Santa em que seguiremos Jesus subindo para a sua Paixão e para a cruz. Com a liturgia de Ramos, aclamamos a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém como um aperitivo do triunfo de Páscoa. É preciso, com efeito, estar-se deslumbrado pelo Cristo em glória para seguirmos Cristo, nas humilhações da sua Paixão sem perder o coração. Mas no entanto, a Semana Santa recorda-nos que não podemos tomar parte na alegria da ressurreição de Jesus sem comungarmos dos seus sofrimentos e da sua cruz.


Por certo a mensagem da cruz é, hoje como ontem, difícil de entender. O sofrimento e a morte parecem tão absurdos que é difícil falarmos nelas. Eles apelam sobretudo em consideração para aqueles que sofrem respeito e silêncio. No entanto, podemos calar-nos completamente? Neste mundo onde explode sob os nossos olhos tanto sangue inocente derramado, tantas vidas destruídas, tantos homens e mulheres que sofrem e morrem, não é o momento, no início da paixão, para além dos combates, ver as revoltas inevitáveis, procurar perto de Cristo na Cruz, não respostas ou explicações, mas uma fonte de luz e de paz?


Notemos antes do mais, que antes de todos os discursos temos que acolher a cruz como uma festa e um mistério maior do Evangelho. Porque Deus não nos fala logo através de discursos mas de feitos, acções, de gestos imensos que nos revelam a sua espantosa sabedoria. Para nos salvar, Deus não escolheu o que é privilégio de alguns: a riqueza, a ciência…, ele despojou-se, humilhou-se, como diz São Paulo, até tomar sobre ele o que afecta a o nosso próprio ser, o nosso sofrimento e a nossa morte. Com isso, o mais comum, o mais íntimo, mais recôndito, ele salva o mundo. Também nas nossas provas, Cristo já não está longe de nós. Provado em tudo como nós, como nós, excepto no pecado, ele pode compartilhar com todos as nossas fraquezas e transfigurar todas as nossas feridas. Em silêncio, com efeito, Cristo conheceu as nossas dores, as nossas solidões, o despeito dos poderosos, a leviandade das multidões, a traição e o abandono dos amigos e mesmo as nossas agonias e o silêncio misterioso do Pai na hora da morte: «meu Deus, meu Deus porque me abandonaste?» Mas o que muda tudo, são as palavras, todas de paz, que descerão da cruz: «Pai perdoa-lhes»; «Hoje estarás comigo no paraíso»; «eis a tua Mãe»; «Nas tuas mãos». Mas sobretudo, na Paixão segundo São João, Jesus aparece-nos como o Senhor Rei, o próprio Deus que nos dá a sua vida, por amor.


É verdade que Jesus foi «entregue» mas ele entrega-se ele mesmo. Na noite de Getsemani , quando o vêm prender, o próprio Jesus avança: «Quem procurais? Sou eu». Da mesma forma ele dá o último suspiro quando sabe que «tudo está consumado». Na cruz, Jesus faz-nos o dom total da sua vida. Na cruz do seu Filho, é o próprio Deus que nos fala da loucura do seu amor. Para nós, nessa luz de Cristo que, na sua morte, é Rei e dá a sua vida, parece-me que o Senhor nos dirige talvez um apelo. Para o compreender permito-me evocar o testemunho perturbante, o de um homem de coração, Emannuel Mounier. Quando a sua filhinha Françoise sofre de uma encefalite, ele ousa escrever à sua esposa Paulette: «Se não fazemos mais do que sofrer, suportar, aguentar, não teremos manhã nem noite, não pensemos nessa doença como qualquer coisa que nos rouba, mas como qualquer coisa que damos de forma a sermos dignos do Cristo que está no meio de nós.»


Finalmente, pelo amor e pela presença do Senhor, as nossas provações terminam pouco a pouco de ser lugares de refúgio em nós mesmos ou de acusação, mas lugares de despojamento de si mesmo e de identificação com o Senhor. Quando as nossas pobres vidas, por mais que afectadas que sejam, tornam-se radiantes de luz, de paz, quando elas têm já a amplidão do amor, a morte já foi vencida em nós, tornamo-nos seres vivos antes da morte. Os nossos olhos já não param no rosto do crucificado, eles ficam deslumbrados pelo Senhor da glória ao ponto de esperarmos, toda a nossa vida, a alegria do Face a Face.

Traduzido de: http://www.retraitedanslaville.org/spip.php?sommaire&date=2011-04-16