Get this widget | Share | Track details
Mulheres de Atenas: Janeiro 2010

12 janeiro 2010

Éden do Séc XXI

video

09 janeiro 2010

O “casamento” “Gay”, a tolerância e o ser ou não retrógrado



Não acho que aceitar o dito casamento entre pessoas do mesmo sexo seja tolerância. Tornou-se, É uma questão política nacional e foi aprovada como lei, “em menos de um fósforo” certamente para não dar muito tempo ao Povo para perceber muito bem o que se passava, acho eu, pelos nossos representantes democraticamente eleitos. A minha filha chama-me retrógrada porque não concordo que uma união entre pessoas do mesmo sexo possa e seja considerada casamento. Para mim, para haver casamento tem que existir um casal e casal, para mim e para a maioria, implica diferença de sexo entre os dois que o compõem. Que as uniões estáveis entre pessoas do mesmo sexo devam dar-lhes direitos jurídicos, de herança, por exemplo, penso que sim, mas casamento??? Estão brincando…e brincando com coisas muito sérias.


Não me incomoda nada que me chamem retrógrada.



Outra coisa que a mim me aflige é a adopção (não de crianças, esse é outro assunto que irá dar pano para mangas mas que a legalisação do "casamento" torna, ao que sei, automaticamente legal) de nomes estrangeiros para tornar "soft" as palavras e os conceitos. Para mim um “Gay” é um homossexual, não gosto dos termos bem portuguêsses paneleiro e fressureira, para mim homossexual, lésbica bastam, nem o brasileirismo bixa aceito. Para mim bixa é a "Bicha do Tum-Tum, que amanhã é dia um" que a gente cantava na Primária, é a bicha da caixa do super-mercado que a bixa brasileira transformou em "Fila", enfim...modernices… Lá estou eu a ser retrógrada...seja...