Get this widget | Share | Track details
Mulheres de Atenas: Crónica Nº 13- O que custa levantar dinheiro nos fins de semana e feriados

24 maio 2004

Crónica Nº 13- O que custa levantar dinheiro nos fins de semana e feriados

Bom dia!
Sábado passado quando fui à Vila cruzei com um amigo que vinha com o seu cartão multi-banco na mão e com cara de muito chateado. Tinha recorrido às 3 máquinas existentes na Vila e nenhuma delas satisfez as suas necessidades monetárias, e claro não foi por falta de provimento nas suas contas...
Acontece que as máquinas são exactamente isso, máquinas e só fazem aquilo para que estão programadas para fazerem e se não as alimentam com os euros elas não os podem dar. Se nelas é escrito que a caixa mais próxima fica no Cais do Pico, não pode aparecer no ecrã que a mais próxima fica no terminal do Aeroporto de Santa Maria. Se escrevemos num computador " se você não pagar a sua dívida até ao dia tal procederemos judicialmente" quando imprimimos não poderá dizer " caro cliente você está em falta. Agradecemos que regularize a situação com a brevidade possível"
Mas quanto à falta de dinheiro a um sábado de manhã é uma situação muito aborrecida. Custa a entender que seja possível nenhuma das 3 caixas existentes, duas na CGD e uma no BCA, não terem dinheiro no início de fim-de-semana. Ou estarão as 3 avariadas, o que não é provável, ou alguém, pelo menos duas pessoas, se esqueceram de por ou puseram lá poucas notas.
Imaginemos que o Golfinho tinha vindo, como o previsto, lá ia aquela gente de S Miguel para lá dizer mal, mais uma vez, de Santa Maria. E com toda a razão. Não faz sentido uma pessoa querer gastar do seu dinheiro, fazer umas compritas de artesanato mariense que por acaso até não se vê à venda e não poder comprar nem as bugigangas que têm colado o nome de Santa Maria e são feitas numa linha industrial qualquer da Baixa da Banheira ou Barcelos e podemos encontrar com rótulos de outras terras nas feiras, festas e romarias do continente. Vai mal o Turismo de Santa Maria se quem nos visita não poder levantar o seu dinheirinho nas caixas automáticas e não poderem comprar coisas genuinamente marienses.
Outra coisa que não entendo é como o Governo Regional assina contractos com a Açor Line e esta empresa sistematicamente dá início à sua operação tarde e a más horas. Como é possível ficarem impunes quando os contribuintes dos subsídios que esta empresa recebe para operar ficam no cais de embarque a xuxar no dedo com as férias ou os fins-de-semana estragados porque os gestores da Açor Line se lembraram que tinham que ter o barco operacional tarde e a más horas...e ninguém é responsabilizado, ninguém presta contas, ninguém indemniza. Isto é uma palhaçada...e ainda vêm cheios de sorrisos frente às câmaras e quase garantem que a viagem programada para Sexta a tarde se realiza e o pessoal vai para o cais para embarcar e fica a ver navios em seco...
Bom, mas como tristezas não pagam dívidas, senão as instituições bancárias que engordam com os juros que pagamos e não nos prestam serviço de tarelo aos fins-de-semana não nos mandariam aquelas cartas "simpáticas" e os comerciantes andavam se sorriso de orelha a orelha, vamos é na Quinta Feira, rir das nossas misérias e grandezas E(faz bem à alma e alivia o stress) ao assistirmos à Revista Omessa que irá à cena no Cinema do Aeroporto. Vale a pena, está muito boa, digo eu, porque participo e me divirto à grande.
Divirtam-se que esta vida são dois dias...e esperemos que o Golfinho navegue, haja dinheiro para gastos e artesanato genuinamente mariense.
Bom dia e boa semana!
Vila do Porto, 24 de Maio de 2004
Ana Loura

Etiquetas: , ,