Get this widget | Share | Track details
Mulheres de Atenas: "O rio da minha aldeia"

10 setembro 2005

"O rio da minha aldeia"

















O Rio da minha aldeia

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.

O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.

O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia

E para onde ele vai
donde ele vem.
E por isso, porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.

Pelo Tejo vai-se para o mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontram.
Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.

O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele.




Alberto Caeiro, O Guardador de Rebanhos



Pois o Ave é que é o rio da minha aldeia, Azurara

Até há quase 25 anos, tanto tempo, o Ave fez quase diariamente parte da minha existência.
Da casa onde nasci o Ave entra-nos janelas adentro com as traineiras descendo madrugada em direcção à foz e voltando mais tarde adornando de peixe fresco.

Penso que terei aprendido a nadar entre o mar e o rio. Nos fins de tarde quando o meu pai regressada va Fábrica de Mindelo (encerrada há muitos anos "para balanço" e este tema dará "panos para mangas"), vinha na sua Zundapp e mais tarde no seu NSU e nós já estávamos equipados à maneira e ala para a junqueira ou para o sopé do Monte de Sant'Ana devidamente acompanhados pelo Leão e era tudo para a água, uma festa. Tivemos um barquito a remos que estava fundeado lá e era ver o Júlio e o Alexandre a lançarem-se em altos mergulhos. Eu sempre fui medrosa e nunca me aventurei nesses voos.

Comemos muito peixe que o meu Velho pescou nas águas, então límpidas, do Ave. Aos Sábados ele saia cedinho com a cana e o cesto da pesca a tiracolo e o Leão colado às suas pernas. Dizia o meu Pai "há quem tenha um cão de caça, eu tenho um cão de pesca”. Muito peixe comemos... Ele chegava com o cesto cheiinho de Robalinhos, Tainhas e Pintas que nós amanhávamos no tanque que havia no coberto. Era um fartote de peixe fresco


Hoje o rio da minha aldeia está morto, as águas putrefactas, fétidas. Ainda há quem lá pesque, mas não creio que esse peixe lá pescado faça a felicidade de qualquer família. A ganância, a fúria do lucro, o desrespeito pelas gerações vindouras matou o rio da minha aldeia.

8 Comments:

Anonymous Anónimo said...

well you have done yourself proud, I have to say I enjoyed your Blog, I have a Blog all about cat tshirt
my Blog is at http://www.cattshirt.blogspot.com you can find out about my online retail store that sells cat tshirts. cattshirt4u.com

10 setembro, 2005 14:13  
Anonymous Anónimo said...

Congress to investigate 9/11 loan program
When last week's poll participants were interviewed and told about AP's findings about the loan ... Young Americans, unmarried people and Democrats were less approving of the response, while older Americans, married people and Republicans were more likely to approve.
Great Blog!! If you are interested, go see my kissing tip related site. I think you'll like it!!

10 setembro, 2005 14:22  
Anonymous MARGA said...

M'ANA:
Gostei muito da foto do Rio da nossa (considero-a também minha) Aldeia. Etambém, do texto que escreveste que tantas recordações boas me trouxe...
O meu Blog, herdei-o do Jorge: www.mimiagatinha.blogspot.com
Não tenho tido tempo pra ele. Mas, logo que possa, vou conntinuá-lo.
Um grande beijo da mana
Margarida

10 setembro, 2005 15:00  
Blogger ES said...

Olá “tias”, quem diria que também andavam por estas andanças : )))
Apesar da minha ainda tenra idade… as minhas recordações de infância… são as que recordo com mais alegria…
Beijinhos às duas… e prometo que sempre que puder vou visitar e deixar bitates nos vossos blogs (se bem que no da Margarida, isso está bloqueado) ***
Marta

12 setembro, 2005 11:12  
Blogger Alma de Poeta said...

Para já a introdução com um belíssimo poema está uma delícia.
Navegaste no rio das recordações que guardas da tua infância e isso faz-nos tão bem.
Cada vez mais aprecio os teus textos. Parabéns comadre.
Desconhecia essa tua faceta de " tias" srsrsr,,,,vou ler o blog da Mimi, que julgo ser a gatinha.
Beijo.

12 setembro, 2005 12:52  
Anonymous Hélder Durão said...

Olá!
É a primeira vez que visito o seu blog e gostei muito do primeiro texto que li. Sempre que tenha disponibilidade, tenciono continuar a visitar o seu cantinho.
Aproveito a ocasião para agradecer as visitas e os comentários que deixou no meu blog.
Como é bom recordar certos episódios da nossa infância!
Beijinhos.

13 setembro, 2005 04:32  
Blogger terragel said...

NA PEQUENA CIDADE QUE NASCI, TAMBÉM TINHA UM RIO, CHAMAVA-SE OURICURI. hOJE NÃO EXISTE MAIS POR CAUSA DOS PREDADORES FLORESTAIS, AQUELES QUE SÓ ENXERGAM UM PALMO A FRENTE DO NARIZ. DE QUALQUER MANEIRA, ACHEI O TEU POEMA A COISA MAIS LINDA! UMA LEMBRAÇA QUE JAMAIS SE APAGARÁ DE NOSSAS MEMÓRIAS.
vOU DEIXAR MEUS PASSOS PARA ME VISITARES.
bJS

18 setembro, 2005 17:43  
Blogger O Puto said...

Texto inspirado e bela música, que já não ouvia há bastante tempo.
Obrigado pela visita e bom trabalho!

20 setembro, 2005 04:43  

Enviar um comentário

<< Home